Quando tu e eu viramos nós

19.6.17

Era dezenove de junho de dois mil e dezesseis, quando tu chegou. Apareceu de surpresa no meio de uma multidão, como se alguma força muito forte fosse guiando os teus passos no caminho certo, como se tu se movesse por um impulso que não sabia de onde vinha, mas estava ali e estava forte dentro de ti, dentro nós dois. Te encontrar parecia loucura, uma história que ninguém acreditaria, uma chance única e irrepetível em uma vida inteira. Um destino traçado, um encontro marcado por um Alguém que queria que tu e eu virássemos nós.

Dizem que o jeito como eles partem diz tudo, mas agora acredito que o jeito que chegam diz ainda mais.

Vestia uma camisa jeans e o melhor sorriso tímido que alguém poderia ter, me chamou para dançar e parecia que nada passaria daquela dança, daquela noite. Não que você tivesse essa pinta de quem não leva nada a sério, acredito que, na verdade, eu já não me levava tão a sério e nem acreditava que contos de fada aconteceriam comigo, que eu seria capaz de viver um amor tão tranquilo e puro. Mas ainda bem que você chegou e, desde aquele segundo, eu desejei que nunca mais fosse embora. 

Já contamos trezentos e sessenta e cinco dias de permanência um dentro do outro, de abraço que virou casa e alegria que virou conforto para nossos corações. Trezentos e sessenta e cinco dias que parecem uma vida inteira, uma vida passada, um amor remoto. Todo o amor que existe em mim chama pelo teu nome, vive do teu cheiro e da tua risada rouca. Tudo em tu tem gosto de paz, de segurança, acalento e outras coisas mil que nunca estarei pronta para decifrar, pois só eu sei as borboletas que carrego no estômago todas as vezes que te vejo.

Obrigada por nossos dias, por nosso amor e por todas as certezas que estamos construindo juntos. Obrigada por transformar nosso singular nesse plural que eu amo repetir: nós. Um nó que não aperta, que não sufoca, que deixa livre pra quando quiser ir. Obrigada por todas as vezes que você escolheu ficar e por esse amor tão lúcido que a gente vive e encara juntos. E, não sabendo mais o que agradecer dentre tanto bem que tu me faz, obrigada por existir pra mim.

Que tal esses?

0 comentários

Google +

Facebook

Quote #1

"Devemos sempre acreditar que, por mais difícil que seja, lutar por aquilo que queremos não é perda de tempo."

- Anne Ferreira