Duas e quinze

15.5.15


Abraçada ao travesseiro que sempre foi meu melhor amigo, lanço um olhar vazio para o teto desse quarto quente de paredes vazias. A mente está cheia. Todos as noites centenas de pensamentos - que não faço ideia de onde vieram - enchem-me e me impedem de dormir tranquila. 

Penso em tudo que um dia já vivi ou deveria ter vivido. A casa da minha vó, acordar com o som da sua vassoura varrendo o chão. Minha irmã quebrando meus brinquedos. Minha irmã. Talvez se ela estivesse aqui esse cômodo fosse menos sombrio, mas é melhor assim. E se entrarem na minha casa de novo? Deveria trancar a porta e fechar a janela, mas não vou. Confio. Fearless. Não é isso que repito para a minha imagem anêmica refletida no espelho? Fearless. 

A cena muda. Minhas avós, meus pais e minha irmã, de novo. Ela não sai. Ela carrega um pedaço da minha alma. Com o que será que estão sonhando? Seja lá com o que for, o sonho da minha mãe deve tá assustando o meu pai. O dele também o assusta. Tudo assusta o meu pai, na verdade. E se amanhã eles não estiverem aqui? E se o sono os levar devagarinho? Todos iremos um dia, mas e se for h-o-j-e? A-g-o-r-a? Lágrimas. Meu Deus, não pode. E quem sou eu pra dizer a Deus o que pode e não pode? Ninguém. 

Será que um dia serei alguém? A cena muda. Faculdade. Será que estou no curso certo? Como posso pensar isso indo pro terceiro período? Só faltam sete, sete chances de fazer mais. É tempo de ser melhor, de ser ninguém pela última vez. Meu pai quer que eu seja doutora e eu quero... O que eu quero mesmo? "Nenhum vento sopra a favor de quem não sabe pra onde ir", segundo o Sêneca. Preciso ajustar as minhas velas, mas se... Deixa pra lá. Preciso de um emprego.  

Pego o celular na mesinha de canto que minha mãe não deixa encostar no canto. Duas e quinze. Não são horas de pensar nessas coisas, já chega por hoje. Me viro pro lado e para me desobedecer, penso pela última vez. E apenas penso que pensar dói de mais. 

Que tal esses?

6 comentários

  1. Que lindo texto, adorei a sua escrita. As vezes quando vou dormir, fico me perguntando se faz bem (ou sentido, não sei) ficar pensando no passado e em um futuro incerto. Muitas vezes nos preocupamos demais e com as coisas, e esquecemos de curtir o momento e as oportunidades que a vida nos dá.

    Beijos, Gabi

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Gabi :) Também acho que não vale tanto a pena lembrar o passado nem pensar no futuro, mas esses pensaentos são involuntários e incontroláveis :(

      Excluir
  2. Pensar dói e dói muito. Onde vamos chegar pensando tanto assim se não apenas no sofrimento? Eu me pergunto isso diáriamente antes de repetir tudo de Novo na minha cabeça...

    www.eunomadiando.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É uma boa prática, espero um dia me libertar desses pensamentos bobos

      Excluir
  3. Olá Juliana,
    Que texto fabuloso!
    Li o primeiro parágrafo e não resisti em continuar a ler até ao fim. Você escreveu de uma maneira que se pareceu a um filme, como se de vários flashbacks se tratasse (e talvez é mesmo esse o sentido do texto).
    Parabéns mais uma vez!

    Um beijo,
    Blog "A escrita e eu"

    ResponderExcluir
  4. Nossa, Jheniffer, muito obrigada! A intenção foi mesmo essa, de parecer flashbacks, porque é assim que esses pensamentos chegam até mim :)

    ResponderExcluir

Google +

Facebook

Quote #1

"Devemos sempre acreditar que, por mais difícil que seja, lutar por aquilo que queremos não é perda de tempo."

- Anne Ferreira