De uns tempos pra cá, a febre virtual do momento está toda voltada para o Instagram. Mesmo com aqueles boatos de que a rede não estava mostrando todas as fotos de quem você seguia e até mesmo a mais recente polêmica da ordem de relevância não foram capaz de "derrubar" o Instagram, que continua sendo a rede fotográfica favorita de todo mundo. Pra ser bem sincera, ainda bem que isso não aconteceu, afinal, o insta (para os íntimos) é a melhor rede para quem gosta de fotografar.

Como eu ia falando, a febre agora é ter um feed organizado. Tenho certeza que quando você criou sua conta nem sequer pensava em combinar as fotos ou, no mínimo, tirar fotos de boa qualidade. Falo isso porque as minhas eram horríveis, a maioria nem sequer tinha qualidade (culpa de um celular lixo) ou boa edição. Ainda bem que todo Pokémon evolui. Nesse post, venho explicar como eu organizo o meu feed no Instagram.

O primeiro passo para organizar um feed é escolher qual tipo de organização você pretende fazer. As possibilidades são inúmeras: têm os feeds clean, dark, coloridos, P&B, com o mesmo filtro em todas as fotos e assim vai. Pra mim, o que funciona mais e que acho mais "fácil" de fazer, é o feed organizado por sessão de cores. Na hora de decidir, o Instagram da @ketherink foi minha maior inspiração. E foi assim que o meu ficou:


Como boa ruiva, gosto de valorizar as minhas madeixas, afinal, não estou pagando caro em tinta pra esse cabelo não ficar bonito em foto, né non? Nessa perspectiva, o feed laranja é meu aliado, por isso eu já tenho duas sessões dele e ambas são as maiores do meu Instagram. Então por onde eu ando eu busco coisas laranjas para fotografar e vou intercalando entre fotos onde o destaque é o meu cabelo e imagens de respiro. Nessa cor, o pores do sol se tornam minhas fotos favoritas.

Embora curta, fiz uma sessão azul que me agradou bastante, embora eu olhe agora e ache que pequei um pouco na disposição das fotos. Mas acontece, né? As vezes vamos para uma festa, saímos com amigos e tal e queremos de qualquer forma aquele registro no nosso Instagram, aí não tem jeito, a organização fica um pouquinho de lado. Mesmo assim, amei a nitidez que o azul ficou e os elementos que consegui juntar: livro, céu, jeans, roupas e até Maia! Espero fazer outra sessão azul algum dia e dessa vez vou querer mar e piscina ♥

Talvez essa tenha sido a sessão menos nítida e você pode estar se perguntando: "Rosa? Onde?", mas eu acho essa parte rosinha sim! Hahaha. Na verdade, nessa eu não utilizei elementos cor de rosa, mas usei o filtro e a edição de uma forma que deixassem as fotos com a mesma carinha, o mesmo tom. Uma coisa eu posso dizer sobre essa sessão: ela tem as minhas fotos favoritas! Amei a dos livros, meus olhos sorrindo, minhas selfies, meus amigos, minha família... ♥ Acho que essa é a parte mais amorzinho do meu feed. 

Comecei a construir uma sessão preta e ó, tá osso! é mais difícil do que eu pensava e confesso que só quis começar essa cor pra poder usar umas fotos em p&b, já que desde que comecei a organizar o feed não postei mais nenhuma. Espero não morrer na praia logo agora que estava indo tudo bem hahaha. Pra isso, já separei algumas inspirações, que aliás são as grandes aliadas de quem gosta de foto, para tentar reproduzir. Dedinhos cruzados pra sessão preta funcionar!

Bem, então é assim que organizo o meu feed no Instagram. Entenderam, né? Sessão de cores < Sair caçando tudo que existir daquela cor < Se não achar, apela pra uma edição parecida. Como falei lá no começo, esse foi o jeito que funcionou pra mim e cada um tem o seu. O principal é procurar elementos na cor da sua, então não adianta escolher uma cor se você não tem o que mostrar nela. Uma vez inventei de colocar amarelo e ficou meio cagado, mesmo assim eu deixei a sessão lá no meu feed e fingi que nada aconteceu.

Sei que o post ficou grande, mas espero que vocês tenham gostado e se inspirado de alguma forma. Não esqueçam de me seguir no Instagram (@julianaaz_) e de deixar sua opinião sobre o post aqui embaixo. Se quiserem, posso fazer outro com dicas gerais de organizar o feed, independentemente de qual estilo de organização você escolher. Não sou nenhuma expert, mas espero mesmo que tenham gostado. Beijos!


Não é novidade pra ninguém que eu sou apaixonada por séries e vocês sabem, quando a gente entra nesse mundo, é difícil de sair. Isso mesmo, parece drogas. Depois de ter terminado a 6ª temporada de GOT e a 4ª de Vikings (já falei da série aqui), fui dar uma olhada na minha lista na Netflix e lá estava Suits. Não é certo ficar assistindo série o tempo todo ao invés de estar estudando, mas se a série for de Direito, eu tenho desconto? Espero que sim.

Suits ou Homens de Terno é um drama/comédia que se passa em uma super agência de advocacia (super mesmo, fico nervosa só de imaginar os honorários dos advogados), focada no advogado gatão Harvey Specter e seu estagiário Mike Ross

Até aí parece tudo bem, mas o problema é que na Pearson Hardman são aceitos apenas advogados e estudantes da Escola de Direito de Harvard e Mike não estuda lá. Na verdade, o garoto não estudou direito em faculdade nenhuma, mas ele tem uma memória fotográfica incrível e sabe tudo de leis, inclusive, ele é bem melhor e mais perspicaz que muitos advogados que aparecem no decorrer dos episódios. Então Harvey e Mike escondem esse segredinho de toda a empresa. 

Além dessa problemática central, todo episódio há um caso novo pra essa dupla resolver e, como já é de se imaginar, eles nunca perdem. Harvey e Mike se completam, o que falta em um, tem no outro e assim eles constroem não só um laço profissional, mas uma amizade sincera. 

Séries jurídicas não agradam todo mundo, mas se você for uma das pessoas, assim como eu, que gosta desse tipo de enredo, vale a pena assistir Suits. Terminei a primeira temporada em dois dias hahaha, agora estou no comecinho da segunda e pretendo terminar tudo até setembro. 

Comenta aqui embaixo se você já assistiu Suits, o que achou ou se ficou interessado em assistir. Beijos!


Finalmente chegou o dia de escrever esse post! Desde que assisti Cidades de Papel eu tenho vontade de falar o quanto Margo Roth Spiegelman é especial pra mim. Na verdade, sinto isso desde que li o livro, mas naquela época eu ainda não tinha o blog para poder me expressar. A oportunidade veio graças ao grupo Liga Blogesfera, onde "Esse personagem sou eu" é tema da blogagem coletiva. 

Aliás, faz muuuuito tempo que não participo de uma BC. Será que tá na hora de voltarmos de vez para uma blogagem bem raiz? O que vocês acham? Mas enfim, já que estamos aqui, deixem-me lhes apresentar Margo Roth Spiegelman e tudo que admiro nela.

A constante busca por si mesma
Uma das coisas mais legais do livro e filme é exatamente a busca de Margo pra descobrir quem ela é. Ela não tem medo de se perder, sabe? Não tem medo de deixar tudo pra trás, desconstruir tudo que esperavam dela e frustrar as pessoas que a amam, ela só quer descobrir quem ela realmente é e o que quer pra si mesma, custe o que custar. 

O inconformismo
Margo consegue entender as pessoas de um ângulo que ninguém se preocupa muito em imaginar. Ela sabe que as pessoas olham umas para as outras e enxergam somente aquilo que elas querem enxergar, mas pra Margo isso não está certo desse jeito. Ela sabe que é bem mais do que aparenta ser e deseja que as pessoas a enxerguem por dentro também. Essa é uma das minhas maiores batalhas, que as pessoas enxerguem além do saco de ossos que sou. Todo mundo é mais que isso, não é?

Ser um ser humano ímpar 
A forma que ela pensa, a maneira como gosta de viver, sempre cheia de mistérios e pistas, como encara tudo que lhe acontece... todas essas pequenas coisas fazem de Margo um ser humano ímpar. Se ela fizesse tudo aquilo que esperavam dela, ela sempre seria mais uma garota de papel em uma cidade de papel. Eu penso a mesma coisa, sabe? A gente tem que fazer o possível e o impossível para não ser só mais um ser humano pesando na Terra. A gente tem que ser ímpar. 

Parece uma lista curta de motivos, mas significa muito. Não sou tão Margo Roth Spiegelman como gostaria de ser, ainda. Mas um dia espero ter a mesma coragem que ela, ser tão pensante, questionadora, inteligente e incrível como a personagem. 

"Porque é o máximo ser uma ideia que agrada a todos. Mas eu nunca poderia ser aquela ideia para mim, não totalmente."

Eu espero que vocês tenham gostado do post. Me contem aqui embaixo o que acharam dele e com qual personagem vocês se identificam. Beijos!